Lubricidade

mulher

Quisera ser a serpe venenosa

Que dá-te medo e dá-te pesadelos

Para envolver-me, ó Flor maravilhosa,

Nos flavos turbilhões dos teus cabelos.

Quisera ser a serpe veludosa

Para, enroscada em múltiplos novelos,

Saltar-te aos seios de fluidez cheirosa

E babujá-los e depois mordê-los…

Talvez que o sangue impuro e flamejante

Do teu lânguido corpo de bacante,

Da langue ondulação de águas do Reno

Estranhamente se purificasse…

Pois que um veneno de áspide vorace

Deve ser morto com igual veneno…

Cruz e Sousa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s